©2018 by Stephanie Bittencourt.

Stephanie Bittencourt Joaquim

R. Min. Calógeras, 708 - Bucarein, Joinville - SC, 89202-207, Brasil

(47) 9 8801-8158

QUALIFICAR

Rua Blumenau, 64 - sala 1508 Edifício Adville Business Joinville - SC

Rosângela Cremonini

(47)9-9922-7698

 “O que perturba o ser humano não são os fatos,

mas a interpretação que ele faz dos fatos". 

Epitetus - Sec.I

Ciclo
Buscar
  • Stephanie Bittencourt

TOC TOC: Entenda o Transtorno Obsessivo Compulsivo

Atualizado: 7 de Out de 2018


Geraldo é um rapaz metódico, gosta de deixar tudo em ordem e os ambientes limpos. Às vezes perde horas do seu dia limpando ou dedetizando os lugares que vai passar. Dizem que Geraldo tem manias. Há quem fale que gostaria de ser organizado como ele. O que poucas pessoas sabem é que Geraldo sofre. E muito.

Você certamente já conheceu ou ouviu falar a respeito de alguém parecido com o Geraldo, bom esse é apenas um exemplo de um indivíduo que sofre de um transtorno mental que atinge cerca de 8 milhões de brasileiros. O transtorno obsessivo compulsivo por muito tempo foi classificado como um transtorno de ansiedade, porém na última atualização do Manual Diagnóstico de Transtornos Mentais (DSM-V) o TOC foi classificado em sua própria categoria: “Transtorno Obsessivo Compulsivo e Transtornos Associados” e os outros transtornos do capítulo envolvem o Transtorno Dismórfico Corporal, a Tricotilomania, o Transtorno de Acumulação e o Transtorno de Escoriação (Skin Picking).

Mas o que é o TOC?

O TOC é um transtorno heterogêneo, com diferentes graus (de leve à grave e incapacitante) e caracterizado pela presença de obsessões e/ou compulsões, associado há graus significativos de ansiedade. Seu curso pode ser episódico ou crônico, de início precoce ou tardio. Às vezes surge de forma insidiosa, sem causar grandes danos e aos poucos torna-se um sofrimento constante. Porém, também pode surgir de forma abrupta.


DICA: Toc Toc é um filme espanhol de 2017 que retrata os sintomas e as características de pessoas que sofrem com o Transtorno Obsessivo Compulsivo. Apesar de ser uma comédia, muitos dos meus pacientes se identificaram com as cenas retratadas e aprovaram o filme. Tem no netflix, vale a pena!


Vamos entender melhor sobre o TOC:


Obsessões: são pensamentos persistentes e indesejáveis que aparecem de forma intrusiva e invadem a consciência da pessoa contra a sua vontade. A pessoa que tem TOC não quer pensar, tem pavor do conteúdo dos seus pensamentos e isso causa uma acentuada ansiedade que interfere de forma significativa nas suas atividades diárias, nas relações interpessoais e ocupam boa parte do tempo do indivíduo.


Características das Obsessões: Intrusivas: Difíceis de controlar pois invadem a mente contra a vontade.

Indesejadas: Causam desconforto e referem-se a temas desagradáveis, indesejáveis.

Provocam Resistência: Lutar contra, tentar afastar, ignorar, suprimir, neutralizar. Ego-distônicas: Seu conteúdo vai contra os valores morais ou os desejos do indivíduo.


AS DIMENSÕES DO TOC ENVOLVEM

  1. Medos de contaminação e lavagens excessivas;

  2. Dúvidas e verificações;

  3. Alinhamento, simetria, sequência, ordenamento e repetições;

  4. Pensamentos repugnantes de conteúdo agressivo, blasfemos, escrupulosos e supersticiosos, e dúvidas sobre orientação sexual.

Há muitas pessoas famosas que falam abertamente sobre o Transtorno Obsessivo Compulsivo, inclusive o Rei! Dá uma olhadinha na entrevista do Roberto Carlos para o programa do Jô e perceba se você consegue identificar um pouco sobre o que conversamos aqui.


As consequências das obsessões são as estratégias que o indivíduo usa para lutar contra as mesmas, como as compulsões, as evitações, a hipervigilância, as neutralizações ou lentidão e indecisão.


Compulsões: são comportamentos ou atos mentais repetitivos com a intenção de reduzir ou eliminar o desconforto ou prevenir que os eventos temidos aconteçam. No entanto, a compulsão não tem nenhuma relação real com o objeto que se tenta neutralizar/eliminar e muitas vezes são claramente excessivas.

Exemplos de compulsões:

  • bater a porta três vezes para evitar que algo de ruim aconteça;

  • Lavar a mão de forma compulsiva ou tomar vários banhos por dia;

  • Rezar (até mesmo mentalmente) sempre que acreditar ter pensado algo de errado;

  • Alinhar os objetos simetricamente para impedir o azar;

  • Verificar excessivamente se as janelas estão fechadas, se o gás está desligado ou se não deixou o ferro ligado.

Evitações: são atos voluntários com o objetivo de impedir o contato direto ou a proximidade com os os objetos interpretados como uma ameaça. As evitações são as principais responsáveis pelo comprometimento e a incapacitação do indivíduo pois o mesmo passa evitar lugares e situações: Exemplos de evitações:

  • corrimões, dinheiro, facas, objetos cortantes, utensílios domésticos.

  • locais públicos e ambientes de socialização; Séries, filmes ou programas de televisão; Hospitais, praias ou banheiros públicos.

  • Pessoas específicas; moradores de rua; policiais ou outro tipo de pessoa considerada como uma ameaça.

As causas do TOC

Há inúmeros estudos que buscam entender e esclarecer os aspectos relacionados ao TOC, no entanto ainda não conseguimos identificar suas verdadeiras causas. A etiologia do TOC nos mostra que há fatores neurobiológicos, ambientais, comportamentais e cognitivos envolvidos no seu aparecimento e também no seu prognóstico.


O tratamento para o Transtorno Obsessivo Compulsivo

A causa do TOC ainda não está definida, no entanto, felizmente já existem tratamentos adequados e eficazes para ajudar o indivíduo a lidar com o seu transtorno. O único tratamento psicológico empiricamente aceito para o transtorno obsessivo-compulsivo é a terapia cognitivo-comportamental envolvendo a exposição e a prevenção de respostas.

Segundo o pesquisador Aristides Volpato Cordioli, um dos principais estudiosos da área no Brasil, a terapia cognitivo-comportamental reduz os sintomas em 70% dos pacientes que realizam essa modalidade de tratamento, e em aproximadamente 30% deles pode eliminar por completo os sintomas. Ela é efetiva quando predominam rituais, não existem outros problemas psiquiátricos associados e quando os pacientes se envolvem de forma efetiva nas tarefas de exposição e prevenção de respostas.


O uso de medicamentos:


As pesquisas indicam que os chamados inibidores de recaptação da serotonina são os medicamentos mais eficazes para reduzir os sintomas obsessivo-compulsivos. Esse grupo de medicamentos juntamente com a terapia cognitivo-comportamental são os métodos de tratamento com eficácia comprovada para o TOC. Em caso de dúvidas sobre medicamentos procure o seu psiquiatra.



Caso você tenha se identificado com os sintomas procure ajuda especializada. Entre em contato e tira as suas dúvidas!









Referências


Aristides Volpato Cordiolli - http://www.ufrgs.br/toc/

Associação Brasileira de Síndrome de Tourette, Tiques e Transtorno Obsessivo Compulsivo - http://www.astoc.org.br/source/php/021.php

24 visualizações